o julgamento de responsabilidade.

No quadro da competência concedida pelo artigo 1.º C) do Decreto-Lei 513/69, o TDEC atua nos julgamentos de responsabilidade para funcionários provinciais ou comunitários e funcionários nos pressupostos do artigo 116.º da Constituição Provincial.

O TDEC tem competência exclusiva para justificar a quantidade de danos emergentes emergindo do Ação atribuível a um funcionário oficial ou provincial ou comunitário.

Esta responsabilidade pode surgir do estudo de responsabilidade (art. 21 Lei nº 513/69) ou de um resumo administrativo. Neste segundo caso, a decisão final que atribui responsabilidade disciplinar (artigo 22.º Lei nº 513/69) deve ser enviada ao SDT realizada pelo chefe de julgamentos de responsabilidade.

Procedimento

O chefe de julgamento de responsabilidade que recebe as ações que, como uma responsabilidade patrimonial pelo público provincial – ou os funcionários comuns podem surgir em seu caso -. / p>

das ações deve surgir o alegado responsável pelo dano ocorrido ou no seu caso, é possível para a sua individualização.

A fim de determinar a origem ou não do julgamento de responsabilidade, a sede, através das medidas probatórias para considerar relevante e de acordo com o dano em causa, continua para justificar os danos causados.

Se for determinado que não há mal, a sede retorna as performances para o TDEC com um relatório fundado e a sugestão de prosseguir para o arquivo das performances.

Se, por outro lado, a existência de danos patrimoniais surge, a sede determina um carro interlocutório através do qual prevê a abertura do julgamento de responsabilidade, justiprecia os danos, e corrige uma audiência para a alegada responsabilidade de aparecem e oferecem prova que você tenta usar, que deve ser referido exclusivamente ao valor do dano atribuído a ele.

do público que é realizado será testado, com assinatura da aparência e resumo.

Em caso de não aparência do suposto responsável, será registrado no processo e eles serão capazes de ditar o resumo de conclusão.

também, se o suposto CO responsável Marifes e é pavimentado para as acusações atribuídas, a conclusão resumida correspondente será emitida para consideração pelo TDEC.

Se a alegada responsável oferecer provas no público, a sede No mesmo ato fornecerá a abertura à prova do termo de trinta (30) dias (artigo 21.º do Decreto-Lei nº 513/69).

para transportar A instrução do ensaio Todas as medidas de teste estabelecidas pelo Decreto 951 dos procedimentos administrativos e seu decreto regulatório 1684 são aplicáveis, assim que são relevantes.

produziu o teste oferecido, ou após o período de direito, o período experimental é encerrado, fornecendo conselhos e o suposto responsável pela apresentação do respectivo argumento é corrigido.

Enviou o alegação, ou expirou o prazo sem ter sido apresentado, a sede ditará a conclusão resumida correspondente e previamente fundada – que não é vinculativo – é aconselhável ditar condenação ou julgamento absoluto conforme apropriado.

O julgamento que é ditado pode estar sujeito a recurso de revogação previstos no art. 31 do Decreto Lei 513/69, que deve ser submetido no prazo de dez dias úteis de notificação. A decisão que resolve que o apelo esgota a via administrativa, sem prejuízo da pessoa responsável tentando a maneira contenciosa administrativa para os propósitos da revisão antes do Superior Tribunal de Justiça.

Aplicação de carga.

No julgamento de responsabilidade que conclui com um julgamento condenatório, uma carga fiscal é formulada.

Esta posição visa compensar os danos patrimoniais que o Estado sofreu por ação do declarado responsável.

Uma vez que a sentença é firme, a pessoa responsável tem dez dias úteis para pagar a acusação. Caso contrário, o Tribunal de Contas dá intervenção ao Gabinete do Procurador do Estado para a execução do julgamento.

Conclusão.

Desta forma, o procedimento de julgamento de responsabilidade é mostrado como uma instância administrativa adequada para o controle patrimonial do estado ao seguir a ação de um público oficial ou funcionário, Um desprezo patrimonial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *